payback

Payback: O que é, como funciona e como calcular esse indicador

Equipe TOTVS | FINANCEIRO | 16 junho, 2022

O payback é possivelmente o indicador mais básico e simples para avaliar o retorno de um investimento (ROI). É utilizado por todo mercado e pode fazer toda diferença para sua gestão orçamentária.

No seu negócio, você já utilizou o payback e mantém esse indicador nos seus cálculos de preferência, especialmente antes de decidir por realizar um investimento como a compra de uma máquina ou veículo?

Bom, pode confiar: se você ainda não utiliza, com certeza irá considerá-lo.

Ainda mais após este conteúdo, em que verá o que é payback, como calcular esse indicador, qual a fórmula, seus tipos e muito mais.

Que tal conferir e aumentar seu conhecimento sobre gestão de negócios? Boa leitura!

O que é payback? Como funciona esse indicador?

Payback é um indicador financeiro, utilizado para entender se vale a pena realizar um investimento. O cálculo estima quanto tempo um investimento vai gerar retornos suficientes para cobrir seu custo.

É comum, inclusive, falar que o payback é basicamente o momento em que um investimento atinge seu ponto de equilíbrio (break-even point).

Trata-se de um parâmetro cada vez mais importante dentro das empresas e também no mercado de ações, sendo utilizado por líderes de negócios e acionistas.

No caso dos primeiros, é utilizado para entender a viabilidade de um investimento, como a compra de maquinário ou de um sistema de gestão, por exemplo.

Já para os acionistas, o payback é utilizado no conjunto de cálculos que determina se vale a pena investir nas ações de uma empresa.

Que tal um exemplo?

Vamos acompanhar a situação de Nicole, que está pensando em comprar uma nova prensa hidráulica para sua fábrica. A máquina custa R$ 120 mil.

Para que esse investimento atinja as metas da empresa, esse custo inicial deve ser pago em até 24 meses.

A relação que Nicole faz é muito simples: ela compara o fluxo de caixa esperado do ativo (a prensa) por trimestre.

De acordo com seus cálculos, ela espera que a prensa sozinha gere cerca de R$ 15 mil em receitas de forma fixa, a cada 3 meses. Logo, ela considera o seguinte:

Valores em mil Reais1° dia1T2T3T4T5T6T7T8T
Fluxo de caixa (-120)153045607590105120
Investimento(120)1059075604530150
Ou seja, o investimento vai “se pagar” em exatamente oito trimestres — ou 24 meses, o prazo definido no planejamento.

Logo, Nicole opta por realizar o investimento.

Porém, vale ressaltar que esse foi um cálculo muito simplificado.

Imagine que a prensa inicialmente vá trazer R$ 15 mil em receitas, mas após 12 meses esse número dobre. Logo, o investimento vai trazer o payback em menos tempo.
trial eleve gestão

Quais são as vantagens e desvantagens do payback?

O payback é um indicador muito simples, o que atrai atenção para o seu uso. Um cálculo rápido pode trazer uma compreensão bem aprofundada sobre qualquer investimento. Porém, esse indicador não é unanimidade.

Mas fique tranquilo, não quer dizer que o payback não seja confiável.

É que a análise sobre um investimento em potencial não deve se basear apenas nele.

Por quê? Por uma série de fatores, como:

Esse cálculo não leva em conta as entradas em caixa após a meta de corte de retorno definida.

Ou seja, o escopo é muito fechado em cima do recorte de tempo definido. Voltando ao exemplo que passamos acima, os fluxos de caixa após o oitavo trimestre sequer são considerados.

E, além disso, o payback não leva em conta o peso do tempo sobre o valor do dinheiro. Afinal, o valor do dinheiro hoje não é o mesmo que no futuro, em seis meses, um ano ou uma década.

Payback e fluxo de caixa: Como se relacionam?

O cálculo do payback tem tudo a ver com o fluxo de caixa do seu negócio. Afinal, para entender quando você vai recuperar um investimento, é preciso compreender também seu impacto nas finanças.

A partir dessa leitura, é possível entender se um investimento é viável, analisando especialmente o tempo do payback.

Quanto mais curto, significa que a empresa terá o dinheiro investido de volta em menos tempo, o que vai influenciar nas suas receitas e no seu potencial de investimento futuro.

Mas se é longo, quer dizer que o seu dinheiro permanecerá vinculado a um investimento do passado, até que o mesmo se pague.

Na prática, antes de concretizar um novo investimento, é necessário analisar seu fluxo de caixa e realizar uma projeção, de modo a entender se o seu negócio terá capacidade de arcar com o endividamento.

Como calcular payback?

Você pode utilizar uma fórmula simples para calcular o payback. No entanto, sabia que existem duas formas de considerar esse cálculo?

Destrinchamos ambas para você conferir.

Como calcular payback simples

O payback simples é, como o nome indica, a interpretação mais básica do cálculo. A fórmula é a seguinte:

Payback simples = Investimento inicial ÷ Saldo médio do fluxo de caixa no período

Voltando ao exemplo de Nicole e da prensa hidráulica que contextualizamos anteriormente, o cálculo simplificado seria:

  • Payback simples = 120.000 ÷ 5.000
  • Payback simples = 24 meses

Ou seja, o investimento da empresa de Nicole deve “se pagar” em até 24 meses ou 2 anos exatos.

Como calcular payback descontado

Além disso, é possível realizar o cálculo do payback descontado.

Essa é uma fórmula um pouco mais complexa, que considera uma taxa de desconto que corrige os valores de acordo com a valorização ou desvalorização da moeda no período.

Lembra que mencionamos que uma das desvantagens do payback era a questão do tempo sobre o valor do dinheiro? Esse cálculo é uma solução para esse problema.

Para isso, porém, é necessário adicionar alguns elementos extras ao cálculo do payback:

  • Taxa Mínima de Atratividade (TMA): define a rentabilidade mínima esperada do investimento. É normalmente baseada na taxa Selic (a taxa de juros básica da economia brasileira) ou qualquer outro benchmark.
  • Valor Presente Líquido (VPL): um indicador que busca somar todos os fluxos de caixa de um projeto de investimento, somando-os ao valor inicial investido, utilizando a TMA como taxa de desconto. O objetivo é analisar a viabilidade de um investimento, trazendo ao presente um valor futuro.

Vamos simplificar tudo com um exemplo, vamos lá?

Considere que Nicole queira entender o payback descontado do possível investimento na prensa hidráulica.

Para isso, ela considera o fluxo de caixa de 24 meses e uma TMA de 16%.

Primeiro, é preciso calcular o valor presente líquido (VPL):

  • VPL = Fluxo de caixa ÷ (1 + TMA)^1
  • VPL = 5.000 ÷ (1 + 0,16)^1
  • VPL = 5.000 ÷ 1,16
  • VPL = R$ 4.310,34

Desse modo, Nicole sabe que o valor descontado do fluxo de caixa não é R$ 5 mil por mês, mas R$ 4.310,34, considerando uma TMA de 16% ao ano.

Agora, basta repetir a fórmula payback, mas adicionando os novos valores de fluxo de caixa:

  • Payback descontado = 120.000 ÷ 4.310,34
  • Payback descontado = 27,84 meses

Ou seja, conforme o payback descontado, o investimento de Nicole trará retornos em um prazo maior do que anteriormente, cerca de 28 meses ou 2 anos e 4 meses.

Aprenda a analisar o resultado do payback

colaboradoras analisam payback de empresa

Para analisar o payback, o responsável deve ter ciência que é comum que os primeiros meses ou mesmo anos após um investimento apresentem déficit. É só a partir de um tempo que ele começa a trazer retornos.

O payback é um indicador valioso para líderes e gestores que visam entender qual o tempo de retorno esperado para um investimento específico.

Assim, é possível determinar com certa exatidão quando ele vai alcançar o ponto de equilíbrio e, como dito no jargão popular, “se pagar”.

No entanto, como mencionamos anteriormente, o payback não deve ser analisado de maneira isolada. Seu valor está em, justamente, ser uma das fontes possíveis de dados sobre um investimento em potencial.

É comum que empreendedores e acionistas o apliquem em conjunto com outros indicadores e métricas.

Outros indicadores importantes para avaliar no seu negócio

Na hora de analisar a viabilidade de um possível investimento para o seu negócio, é essencial se municiar de diferentes métricas que possam aprofundar seu entendimento sobre o que esse ativo lhe trará no futuro.

Por isso, indicamos que, além do payback, você mantenha os seguintes KPIs monitorados:

Rentabilidade

Esse indicador mede justamente o quanto um investimento rendeu (ou pode render) em determinado período de tempo.

A fórmula é:

Rentabilidade = Lucro líquido ÷ investimento x 100

VPL (Valor Presente Líquido)

Mencionamos o VPL anteriormente, já que é essencial no cálculo do payback descontado.

Basicamente, é um método que ajuda a compreender a viabilidade de realizar um investimento, colocando no presente os valores do futuro — exatamente como mostramos no exemplo anterior.

A fórmula é:

VPL = Fluxo de caixa ÷ (1 + TMA)^1

Taxa Interna de Retorno (TIR)

O TIR é um indicador que mostra o índice de rentabilidade de um investimento, considerando que o VPL do mesmo seja zero.

Ou seja, ele mostra qual a taxa de desconto necessária para que o VPL seja zero — e, assim, o investimento atinja o ponto de equilíbrio.

Esse é um cálculo mais complexo, composto da seguinte fórmula que retiramos do Dicionário Financeiro:

Retorno sobre investimento (ROI)

Um dos principais KPIs financeiros na gestão empresarial, o ROI é essencial para guiar sua tomada de decisão.

Na teoria, até pode soar um pouco como o payback, mas sua função é mostrar o retorno financeiro de um investimento em detrimento de todos os custos do mesmo, bem como o valor aplicado para tê-lo.

A popular fórmula é:

ROI (%) = (lucro – valor do investimento) ÷ valor do investimento x 100

Payback: Dúvidas frequentes

Antes de finalizar, que tal conferir as respostas para algumas dúvidas frequentes que já recebemos sobre o payback. Confira!

Qual o payback ideal?

O payback é um indicador que se mede em tempo (meses, trimestres, semestres ou anos). Portanto, teoricamente, quanto menor o payback, em menos tempo o investimento irá “se pagar” e começar a trazer lucros.

Porém, tudo depende da estratégia da sua empresa. Caso sua situação financeira esteja fragilizada, um menor payback pode ser mais adequado.

No entanto, em casos onde a empresa está estabilizada, é possível admitir maiores paybacks, visando maiores lucros no médio ou longo prazo.

ROI e payback são a mesma coisa?

Não, o ROI e payback não são a mesma coisa. Apesar de semelhantes, o ROI é um índice percentual, enquanto o payback representa um resultado temporal.

Ou seja, o payback lhe responde em quanto tempo você vai recuperar o valor de um investimento — ou atingir seu ponto de equilíbrio.

Já o ROI determina qual a taxa de retorno obtida com o investimento em relação ao que foi pago nele. Ou seja, o quanto sua empresa ganhou ou perdeu com esse movimento.

É possível calcular payback no Excel?

Partindo do princípio que o Excel é também uma calculadora, é possível realizar o cálculo do payback em uma planilha. No entanto, é muito mais prática contar com um sistema de gestão que o faça automaticamente.

Gerencie os indicadores do seu negócio com a Eleve

Sabia que você pode contar com as soluções da Eleve para gerenciar indicadores e melhorar os resultados do seu negócio?

Com a chancela da maior empresa tech do Brasil, a TOTVS, a Eleve tem soluções lapidadas para micro e pequenas empresas.

O Eleve Gestão é um sistema que possibilita controle financeiro completo para você.

Todos os recursos e funcionalidades para gerenciar sua empresa, indicadores, contabilidade e gestão tributária e fiscal na palma da sua mão!

E o melhor? Com um preço super acessível, que cabe no bolso de qualquer pessoa!

Organize sua operação, simplifique a emissão de notas e documentos fiscais, mantenha o compliance tributário e melhore a experiência do seu cliente com o Eleve Gestão!

Conheça mais sobre a nossa ferramenta e como ela pode ajudar seu negócio!

Conclusão

Neste conteúdo, destrinchamos tudo sobre o payback e como esse indicador pode contribuir na gestão financeira da sua organização.

E você, já utilizou o payback em seu planejamento e sabe como calculá-lo?

Esperamos que esse guia ajude a melhorar sua gestão e enriqueça seus insights de negócio!

Para seguir aprendendo, que tal continuar lendo os nossos conteúdos? Recomendamos este: Diferença entre faturamento e lucro: Entenda definitivamente!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.