experiencia do paciente

Experiência do paciente: saiba como melhorar em sua clínica

Equipe TOTVS | CONSULTÓRIO MÉDICO | 28 setembro, 2020

A experiência do paciente está necessariamente relacionada a boas práticas que as clínicas e consultórios médicos devem adotar no atendimento em saúde. É preciso considerar que todas as interações – desde o agendamento de uma consulta à continuidade do cuidado – são capazes de influenciar a percepção do paciente. Diante disso, é necessário criar estratégias para garantir uma experiência satisfatória e marcante em sua clínica.

Diferentes aspectos estão envolvidos na experiência do paciente. Eles são determinantes para a preferência por um serviço de saúde. Ou seja, ajudam o seu estabelecimento a se tornar referência para as pessoas que o frequentam. Com isso, é maior também a chance de que elas o indiquem para a rede de contatos que possuem (familiares e amigos, por exemplo).

Confira, a seguir, algumas dicas para elevar a experiência dos pacientes e fazer com que se tornem não apenas usuários, mas também porta-vozes dos serviços de saúde prestados pelo seu negócio.

Infraestrutura adequada

Este aspecto concentra-se na percepção do paciente logo que dá entrada em seu consultório ou clínica médica. Neste caso, a dica é que o espaço apresente uma infraestrutura que demonstre atenção com comodidade e bem-estar. Espaços otimizados para circulação e móveis (sofás, cadeiras, macas etc.) confortáveis fazem a diferença neste sentido. 

Também é importante demonstrar a preocupação com a segurança do paciente, traduzida tanto a partir de sistemas de vigilância eficientes quanto por meio de equipamentos de alta qualidade e profissionais qualificados.

Outro ponto relevante é o cuidado com a higienização dos ambientes. Garantir que todos os espaços estejam sempre higienizados fará com que os usuários sintam-se mais protegidos.

Prescrição digital

A receita ou prescrição digital pode ser enviada pelo médico de diferentes formas, como, por exemplo, via SMS, para o celular do paciente a que acabou de atender. Com o cenário atípico do ano de 2020, diante da pandemia de Covid-19, este tipo de prescrição teve 60% de registros a mais no primeiro semestre (no total foram cinco milhões de prescrições digitais), na comparação com o mesmo período de 2019.

Trata-se de uma ferramenta que eleva a experiência do paciente ao proporcionar comodidade e segurança. Este tipo de receita recebe um certificado digital, emitido pela Infraestrutura de Chaves Pública Brasileira (ICP – Brasil). Neste caso, o titular – ou seja, o médico – pode assinar digitalmente não só receitas, como também prontuários, laudos e atestados.

A realização digital do processo aumenta a sua segurança ao evitar fraudes e alterações na documentação. O paciente, por sua vez, não precisa se preocupar em carregar um papel com as recomendações de medicamentos até a farmácia. Em vez disso, apresenta as informações enviadas pelo médico diretamente de seu celular. Assim, o farmacêutico as confere e libera os fármacos necessários.

Quer saber como começar a utilizar a receita digital em seu consultório ou clínica médica? Clique aqui e conheça o Eleve Saúde, sistema que tem esta funcionalidade e muitas outras incluídas.

Prontuário eletrônico

Falando em digitalização, outro ponto que merece destaque neste quesito é o Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP). Esta ferramenta facilita e agiliza a assistência ao paciente.

Com o prontuário eletrônico, é possível registrar, armazenar e disponibilizar em tempo real informações relacionadas a consultas, exames, tratamentos e outros procedimentos médicos realizados por um paciente. Ou seja, o médico consegue visualizar todo o histórico do paciente, o que contribui também para um atendimento humanizado

Como as informações são realizadas online, o acesso pode ser feito pelos profissionais da clínica diretamente por um notebook ou tablet. Ao encontrar os dados que precisam de forma ágil, eles conseguem oferecer um atendimento mais efetivo.

Outras vantagens do PEP são redução de custos e segurança de dados. Para saber mais, acesse este outro artigo, em que falamos sobre o tema com mais detalhes.

Teleconsulta

O Ministério da Saúde liberou em caráter emergencial – diante da pandemia de Covid-19 – o emprego da telemedicina, desde 20 de março de 2020, a partir da Lei nº13.989/2020 e da Portaria nº467. 

Durante a pandemia, estão liberados serviços de teleorientação, telemonitoramento e teleinterconsulta. Além disso, pode ser realizada também a teleconsulta. Ela consiste no atendimento médico diretamente a distância, sem a presença de outro profissional de saúde junto ao paciente. 

O serviço clínico remoto traz mais praticidade para a rotina dos pacientes, ajudando em seu diagnóstico e monitoramento. Representa um complemento ao formato de consulta tradicional. Deste modo, pode facilitar o dia a dia do paciente, principalmente quando há dificuldade de locomoção.

Se você tem interesse em começar a atender de forma online – ou já atende, mas o seu sistema atual não fornece o auxílio esperado – conheça a nossa tecnologia, que permite o acesso fácil e rápido pelo computador ou celular para atendimento aos pacientes.

Capacitação de equipe

Para elevar a experiência do usuário, é essencial se preocupar com pequenos detalhes. Entre eles, está o cuidado que a sua equipe deve ter para esclarecer possíveis dúvidas de forma objetiva e empática, a fim de reduzir a insegurança do paciente.

Todos os profissionais devem estar integrados e capacitados tanto para oferecer um atendimento personalizado, prático e cordial quanto para realizar com precisão e eficiência as suas funções específicas. 

Neste sentido, vale promover discussões de alinhamento e treinamentos. Assim, todos ficam alinhados e atualizados quanto a novidades e boas práticas relacionadas às suas atividades.

Redução do tempo de espera

Por fim, outro ponto que merece destaque quando falamos sobre experiência do paciente é a pontualidade do atendimento na clínica ou consultório médico. Buscar reduzir o tempo de espera e aumentar a disponibilidade de profissionais é importante neste caso. 

Vale ressaltar que a infraestrutura do espaço, como pontuamos antes, pode impactar positivamente na percepção do paciente sobre o serviço de saúde, assim como atenuar o impacto de eventuais atrasos. Lembre-se de que estes atrasos devem ser exceção, já que podem demonstrar falta de compromisso e descaso com o tempo a mais despendido pelo paciente.

Algumas dicas para reduzir o tempo de espera são: determinar um tempo médio de atendimento para cada tipo de consulta ou procedimento; manter uma agenda organizada e constantemente atualizada; informar ao paciente o tempo médio de espera antes da consulta; e ter uma recepção organizada, com acesso prático aos dados dos pacientes.

Eleve a sua saúde

Contar com um software médico que permita a personalização dos horários de atendimento por médico, a marcação de consultas com filtro de horários livres da agenda, o envio de SMS para confirmação ou cancelamento de consulta e o acompanhamento da fila na recepção impacta significativamente na experiência do paciente.

O Eleve Saúde faz tudo isso pela sua clínica ou consultório médico e tem uma série de outros recursos, como prontuário eletrônico, prescrição digital e suporte à telemedicina, pontos cuja importância foi abordada ao longo deste artigo.

Para saber mais sobre a solução, acesse o nosso site e fale com um de nossos consultores.

Até a próxima!

receita digital segurança do paciente teleconsulta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *